PROGRAMA TATÔ

NA GUINÉ-BISSAU

A Guiné-Bissau, e em particular o Arquipélago dos Bijagós, é um dos locais mais importantes da África Ocidental para tartarugas marinhas. Aqui existem quatro espécies de tartarugas marinhas, a Chelonia mydas (verde), Lepidochelys olivacea (oliva), Eretmochelys imbricata (escamas) e a Dermochelys coriacea (couro), todas consideradas espécies ameaçadas mundialmente e protegidas por lei na Guiné-Bissau.

 

O Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) foi criado em 2004 pelo governo da Guiné-Bissau, e tem a missão de gerir as áreas protegidas e os recursos estratégicos da biodiversidade, valorizando o conhecimento científico e tradicional. O IBAP, com o apoio de diversos parceiros nacionais e internacionais, tem já uma longa história na conservação das tartarugas marinhas e tem tido bastante sucesso na sua missão de proteger e monitorizar as tartarugas marinhas, um dos principais valores da biodiversidade da Guiné-Bissau e uma das suas prioridades. 

O IBAP, (...)

tem tido bastante

sucesso na sua missão de proteger e monitorizar as tartarugas marinhas

(...)

O Programa Tatô iniciou em 2018 uma importante parceria, apoiando o IBAP e os seus parceiros nacionais na implementação de um projeto financiado pela Fundação Mava. Durante três anos iremos contribuir para a consolidação da conservação das tartarugas marinhas no Arquipélago dos Bijagós, iremos partilhar experiências através de viagens de intercâmbio para dar a conhecer os diferentes projetos que existem em São Tomé, Brasil e Cabo Verde, contribuir para o reforço de capacidades dos atores guineenses em técnicas de conservação das tartarugas marinhas e estratégias de sensibilização e educação ambiental e contribuir na elaboração de ferramentas de comunicação ambiental para a sensibilização sobre a conservação das tartarugas marinhas.

Siga as nossas atividades desenvolvidas na Guiné-Bissau através da nossa página facebook, Instagram e através da nossa newsletter trimestral.

Durante três anos iremos contribuir para a consolidação da conservação das tartarugas marinhas no Arquipélago dos Bijagós

Das seis áreas protegidas existentes na Guiné-Bissau, duas são especialmente importantes para as tartarugas marinhas, o Parque Nacional Marinho de João Vieira e Poilão (JVPMNP) e o Parque Nacional de Orango (ONP), com importantes praias de desova, áreas marinhas de alimentação e reprodução. Só no pequeno ilhéu de Poilão, foram estimados no ano de 2014 mais de 40.000 ninhos de tartaruga verde, sendo este um dos maiores sítios de desova do mundo e o mais importante do continente Africano. Um número importante de tartarugas verdes também desova no Parque Nacional de Orango, demonstrando a importância do arquipélago para esta espécie. Menores números de tartaruga oliva, tartaruga de couro e de tartaruga de escamas também nidificam no Arquipélago dos Bijagós.

PARTICIPE

São várias as formas de se tornar parte deste Projeto e prestar o seu apoio na conservação das tartarugas marinhas e dos ecosistemas marinhos.